Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Músic(A)rtes

Music is the art that can calm the agitation of the soul

Esperança 🌎

17.04.13

«Un portrait de moitié Claire» de Pierre Duba

Exposição no Centrum Sete Sóis Sete Luas de Ponte de Sôr


Publicado por Ana


Pierre Duba (França) no Centrum SSSL de  Ponte de Sor

Quantas vezes sorrimos com as bandas desenhadas nas páginas dos jornais? Quantos de nós já fomos raptados pelo menos uma vez pelo fascínio das personagens da banda desenhada?

Nascida no século XIX e difundida em todo o mundo através das revistas e dos jornais satíricos, a banda desenhada é, agora, considerada uma arte em todos os aspectos e um poderoso meio de comunicação porque dissolve a distância entre a produção e a recepção: o leitor, que participa conscientemente e ativamente, é parte imprescindível da obra.

É uma arte “jovem” que não para nunca de se renovar, de se adaptar aos tempos e de oferecer um filtro para ler uma realidade social muitas vezes difícil. Defensor desta arte e incluído entre os autores que a têm reinventado tornando-a ainda mais viva através da realização de filmes, Pierre Duba apresenta a sua exposição “Un portrait de moitié Claire” no Centrum Sete Sóis Sete Luas de Ponte de Sor, até o dia 27 de Abril.

 

Formado na Escola de Artes decorativas de Estrasburgo no início da década de ‘80, Pierre Duba dedica-se à banda desenhada e à ilustração desde cedo. O trabalho dele, considerado um dos mais originais na área da banda desenhada, permitiu-lhe ganhar vários prémios e distinções. O seu desenho livre distancia-se de qualquer estilo.

Sempre em movimento, inventa em cada livro um universo pessoal e original. A sua pesquisa sobre a imagem conduziu-o à realização de filmes como continuação das suas bandas desenhadas, numa relação diferente com o tempo e o mundo sonoro. De livros a filmes, quer sejam adaptações literários (Quelqu’un va venir de Jon Fosse), ficção (Antoinette, L’Absente), marcas de viagens (Kyôto-Béziers, à Kyôto) ou reflexões autobiográficas (Sans l’ombre d'un doute), ele conduz uma pesquisa artística exigente que torna as suas obras surpreendentes e inclassificáveis.