Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Músic(A)rtes

Blog de divulgação de Artistas e Artes.

23
Jan20

Movimento da criação no feminino embala o berço na 10ª edição do GUIdance

10 anos do Festival Internacional de Dança Contemporânea celebram-se de 06 a 16 de Fevereiro.

Akram Khan Company, Compagnie Marie Chouinard, Tânia Carvalho, Marlene Monteiro Freitas e Vera Mantero – que, este ano, será a coreógrafa em destaque – são apenas alguns dos nomes presentes na 10ª edição do GUIdance.

 

Tania Carvalho : Direitos Reservados

Tania Carvalho : Direitos Reservados

 

A programação inclui 11 espectáculos, 4 em estreia nacional e 2 em estreia absoluta, bem como masterclasses, debates, talks e ensaios abertos para as escolas, alargando-se pela cidade de Guimarães e tendo o Centro Cultural Vila Flor como base de operações.

 

Esta edição – que celebra 10 anos do festival dando sentido e força à expressão "dança é uma palavra no feminino" – promove o regresso de importantes coreógrafas que assinaram momentos fundamentais na história do GUIdance e de outras que chegam, pela primeira vez, para deixar a sua marca. Este movimento feminino do elenco coloca intencionalmente o papel da mulher no centro da criação e das atenções, reforçado pela presença de homens que acentuam ainda mais essa qualidade. Os bilhetes para os espectáculos, bem como as assinaturas do festival, encontram-se disponíveis em www.guidance.pt.

 

A programação da 10ª edição do GUIdance é desfolhada a partir das 21h30 do dia 6 de Fevereiro, no Grande Auditório do CCVF, com a criadora Tânia Carvalho a colocar em palco sete bailarinos ou encarnações físicas de um onirismo sob controlo, sete corpos saídos dos limbos amargos de um sono desperto, acompanhados em cena pela coreógrafa, ao piano. A dança e a música vivem assim no palco em Onironauta (do grego óneiros, sonho + náutés, navegante). Depois da estreia em Marselha, e da passagem por Lisboa, Tânia Carvalho regressa assim ao GUIdance – depois de, em 2017, ter estreado Captado pela Intuição – para inaugurar esta edição do festival. Com uma carreira de mais de duas décadas, a coreógrafa volta a criar uma peça comovente e arrepiante, como alguns sonhos perturbadores dos quais se acorda confuso e a tremer. Numa coprodução do Centro Cultural Vila Flor, Culturgest Lisboa, Teatro Municipal do Porto Rivoli - Campo Alegre e KLAP Maison Pour la Danse.

 

Vera Mantero «Esplendor e Dismorfia» © Jonathan Uliel Saldanh

Vera Mantero «Esplendor e Dismorfia» © Jonathan Uliel Saldanh

 

A coreógrafa em destaque na comemoração dos 10 anos do festival – Vera Mantero – veste várias peles nesta edição, começando por apresentar o seu Esplendor e Dismorfia na segunda noite do festival (7 Fevereiro), em estreia nacional. Em colaboração com o construtor sonoro e cénico Jonathan Uliel Saldanha, Esplendor e Dismorfia é um recital híbrido para dois corpos-paisagem animados pela respiração.

 

Vera Mantero «Os Serrenhos» © Luís da CruzVera Mantero «Os Serrenhos» © Luís da Cruz

 

Vera Mantero surge novamente para abrir a segunda semana do festival com Os Serrenhos do Caldeirão, exercícios em antropologia ficcional (12 Fevereiro), criação de 2012 em que se debruça sobre a desertificação e a desumanização da Serra do Caldeirão, no Algarve. A célebre e icónica coreógrafa portuguesa, cujo trabalho já percorreu vários continentes, estará ainda em contacto com o público numa conversa próxima e descontraída que terá lugar no final da apresentação deste seu último espectáculo.

 

Joana Castro : Direitos ReservadosJoana Castro : Direitos Reservados

 

O primeiro sábado desta edição (8 Fevereiro) é dia de dupla apresentação. A tarde traz-nos a estreia absoluta de RITE OF DECAY, da coreógrafa e performer Joana Castro, criadora com passagem no Centro de Criação de Candoso (CCC), em Guimarães, para uma residência artística prévia à estreia no festival. Esta, em colaboração com a artista sonora Diana Combo, parte da ideia da gestão de um corpo que se desmultiplica noutros, já extintos ou por vir. Numa dança sobre a morte, ou várias mortes. O fim do mundo como uma metáfora para a nossa própria degradação.

 

Akram Khan Company © Jean Louis FernandezAkram Khan Company © Jean Louis Fernandez

 

À noite, o regresso ao festival da efervescente e impetuosa Akram Khan Company oferece-nos a estreia nacional de Outwitting the Devil, espectáculo inspirado num fragmento da Epopeia de Gilgamesh, que descreve a admiração do rei semidivino da Suméria pela abundância e biodiversidade, sendo, por isso, considerado o primeiro poema ambiental do mundo. Num épico de tábuas quebradas e ídolos caídos, interpretado por um elenco de bailarinos de diferentes culturas e gerações, Akram Khan dispara em palco um tiro de advertência. Aqui o diabo é, na verdade, o homem – uma criatura ingrata capaz de destruir tudo e todos ao seu redor.

 

Marlene Monteiro Freitas «Bacantes – Prelúdio para uma Purga»: Direitos Reservados

Marlene Monteiro Freitas «Bacantes – Prelúdio para uma Purga»: Direitos Reservados

 

A coreógrafa Marlene Monteiro Freitas convida-nos para Bacantes – Prelúdio para uma Purga no dia 13 Fevereiro no palco maior do CCVF. Nesta tragédia grega de Eurípides percorre-se o delírio, o irracional, a histeria, a loucura, vai-se da ilusão à cegueira e da cegueira à revelação. Eis o mundo, moral e estético, que Marlene Monteiro Freitas nos incita a percorrer. Música, dança e mistério conduzem-nos quão funâmbulos sob o fio da intensidade, num combate de aparências e dissimulações, polarizado entre os campos de Apolo e Dionísio.

 

Sofia Dias & Vítor Roriz «O que não acontece» © Filipe FerreiraSofia Dias & Vítor Roriz «O que não acontece» © Filipe Ferreira

 

A noite seguinte (14 Fevereiro) é protagonizada por uma dupla de criadores portugueses com larga história colaborativa: Sofia Dias & Vítor Roriz apresentam O que não acontece no GUIdance. A coexistência de palavras e movimento é uma das questões centrais no trabalho de Sofia Dias & Vítor Roriz. Nesta peça, a dupla de coreógrafos e bailarinos leva ao extremo a tensão existente entre os dois. No final de tudo, o que parece sobressair na massa de palavras, ideias e imagens em movimento, é o desejo de estar em relação e de construir um espaço comum. Acolhedor e igualmente perigoso.

 

O sábado (15 Fevereiro) do último fim de semana desta edição tem dose tripla de propostas: um espectáculo para toda a família às 16h00, uma estreia absoluta às 18h30 e uma estreia nacional às 21h30. Começamos com a apresentação do espectáculo da autoria de Fernanda Fragateiro com coreografia de Aldara Bizarro. Composta por madeira, espelho, aço, e um tapete de algodão negro, Caixa para Guardar o Vazio é uma escultura, mas também um lugar para explorar com o corpo e com todos os sentidos, num processo de descoberta individual ou coletivo. A caixa é ativada pelos corpos de dois bailarinos, que dialogam entre si e com o público, através do movimento e da voz, num atelier performativo especialmente pensado para as crianças, proporcionando-lhes um papel ativo e criador.

 

Elizabete Francisca «Dias Contados» : Direitos ReservadosElizabete Francisca «Dias Contados» : Direitos Reservados

 

Seguimos para a estreia de Dias Contados de Elizabete Francisca, criadora que também habita o CCC para uma residência artística antes da aparição ao público no GUIdance. O imaginário desta peça transporta-nos para Lisboa mas podia ser outra grande cidade, cujas transformações socioeconómicas radicalizam a vida das pessoas – em particular as mulheres – e nos obrigam a refletir e a repensar modos de vivência, de resistência e de insurreição. Dias Contados põe em palco Elizabete Francisca e Vânia Rovisco, dois corpos-escultura, corpos-ação, que através de gestos, imagens e palavras, restituem um olhar sobre a conceção de comunidade, território e pertença.

 

«Sacre Ruel», Interprètes/Dancers : Carol Prieur, James Viveiros © Nicolas Ruel «Sacre Ruel», Interprètes/Dancers : Carol Prieur, James Viveiros © Nicolas Ruel

 

Este dia termina em grande forma com a bailarina e coreógrafa canadiana Marie Chouinard, com mais de 40 anos de carreira, a estrear-se no GUIdance com duas peças particularmente significativas do seu repertório: A Sagração da Primavera (1993) e Henri Michaux: Mouvements (2011).

 

Naïf Production © Mirabel White

Naïf Production © Mirabel White

 

A 10ª edição do GUIdance encerra as cortinas no dia 16 de Fevereiro com a estreia nacional de Des gestes blancs, espectáculo para famílias da Naïf Production, uma fábrica de espectáculos ao vivo e aventuras coreográficas coletivas que questionam a convivência. Nesta criação de Sylvain Bouillet com dramaturgia de Lucien Reynès, oito é uma idade emocionante. A imaginação é imensa e a energia nunca acaba. Entre a independência autodeclarada e a necessidade de cuidado e conforto, as crianças correm, sem freios e sem pausas, e aprendem, brincando. Em Des gestes blancs, Sylvain e Charlie Bouillet, pai e filho de 8 anos, exploram um relacionamento altamente físico e emocional, numa jornada de descoberta tanto para o adulto, como para a criança atrevida.

 

Masterclass Akram : Direitos ReservadosMasterclass Akram : Direitos Reservados

 

As imprescindíveis e igualmente centrais atividades paralelas do festival oferecem a oportunidade de contacto com alguns dos mais importantes e celebrados coreógrafos internacionais a profissionais e alunos de dança de nível avançado através das masterclasses com a Akram Khan Company (7 fevereiro) e a Compagnie Marie Chouinard (16 Fevereiro), mediante inscrição até 26 de Janeiro, sujeita a análise de breve nota curricular através do tlf. 253 424 700 ou e-mail bilheteira@aoficina.pt.

 

Debates GUIdance 2020 : Direitos ReservadosDebates GUIdance 2020 : Direitos Reservados

 

A programação paralela do festival chega a todo o público por intermédio de dois debates (8 e 15 Fevereiro) moderados por Cláudia Galhós sob o mote 'Pensar, Sentir, Dançar'; conversas pós-espectáculo que marcam encontro de criadores como Vera Mantero, Akram Khan Company e Compagnie Marie Chouinard com o público após as respetivas apresentações, para um momento de proximidade descontraído e interativo; os embaixadores da dança que levam coreógrafos como Tânia Carvalho e Sofia Dias & Vítor Roriz a partilhar o seu percurso, a sua experiência de vida e as suas visões artísticas em contexto de sala de aula.

 

Ensaios escolas : Direitos ReservadosEnsaios escolas : Direitos Reservados

 

Uma visita devolvida depois pelos alunos, para assistirem ao espectáculo do criador que com eles estabeleceu um sentido de partilha; e ainda ensaios abertos para escolas de dança de Guimarães, que durante o GUIdance são convidadas a assistir aos ensaios das companhias presentes no programa, seguidos de uma conversa com Cláudia Galhós.

 

 

Os bilhetes para os espectáculos, bem como as assinaturas para 5 ou 3 espectáculos (à escolha) pelo valor de 30 euros ou 20 euros, respectivamente, podem ser adquiridos nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), Casa da Memória de Guimarães (CDMG) e Loja Oficina (LO), bem como online em www.ccvf.pt.

 

 

 

PROGRAMA

QUI 6 A DOM 16 FEV

CCVF | CIAJG

GUIDANCE, FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇA CONTEMPORÂNEA

10ª EDIÇÃO

 

QUI 6 FEV, 21H30

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

TÂNIA CARVALHO

ONIRONAUTA

 

 

SEX 7 FEV, 21H30

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

VERA MANTERO E JONATHAN ULIEL

SALDANHA ESPLENDOR E DISMORFIA

[ESTREIA NACIONAL]

 

 

SÁB 8 FEV, 18H30

CIAJG / BLACK BOX

JOANA CASTRO

RITE OF DECAY

[ESTREIA ABSOLUTA]

 

 

SÁB 8 FEV, 21H30

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

AKRAM KHAN COMPANY

OUTWITTING THE DEVIL

[ESTREIA NACIONAL]

 

 

QUA 12 FEV, 21H30

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

VERA MANTERO

OS SERRENHOS DO CALDEIRÃO,

EXERCÍCIOS EM ANTROPOLOGIA FICCIONAL

 

 

QUI 13 FEV, 21H30

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

MARLENE MONTEIRO FREITAS

BACANTES – PRELÚDIO PARA UMA PURGA

 

 

SEX 14 FEV, 21H30

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

SOFIA DIAS & VITOR RORIZ

O QUE NÃO ACONTECE

 

SÁB 15 FEV, 16H00

CIAJG / PISO -1

FERNANDA FRAGATEIRO E ALDARA BIZARRO

CAIXA PARA GUARDAR O VAZIO

 

 

SÁB 15 FEV, 18H30

CIAJG / BLACK BOX

ELIZABETE FRANCISCA

DIAS CONTADOS

[ESTREIA ABSOLUTA]

 

 

SÁB 15 FEV, 21H30

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

COMPAGNIE MARIE CHOUINARD

THE RITE OF SPRING + HENRI MICHAUX: MOUVEMENTS

[ESTREIA NACIONAL]

 

DOM 16 FEV, 16H00

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

NAÏF PRODUCTION DES GESTES BLANCS

[ESTREIA NACIONAL]

 

 

ATIVIDADES PARALELAS

 

MASTERCLASSES

 

SEX 7 FEV, 17H00-19H00

CCVF / SALA DE ENSAIOS

MASTERCLASS COM AKRAM KHAN COMPANY

 

DOM 16 FEV, 11H00-13H00

CCVF / SALA DE ENSAIOS

MASTERCLASS COM COMPAGNIE MARIE CHOUINARD

 

 

DEBATES

 

 

SÁB 8 FEV, 16H00

CIAJG / SALA DE CONFERÊNCIAS

PENSAR, SENTIR, DANÇAR

ESCRITAS DO MUNDO ONDE VIVEMOS

PARTE I: MODERAÇÃO CLÁUDIA GALHÓS

 

SÁB 15 FEV, 16H00

CIAJG / SALA DE CONFERÊNCIAS

PENSAR, SENTIR, DANÇAR

ESCRITAS DO MUNDO ONDE VIVEMOS

PARTE II: MODERAÇÃO CLÁUDIA GALHÓS

 

 

TALKS: CONVERSAS PÓS-ESPECTÁCULO

 

SÁB 8 FEV

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

APÓS OUTWITTING THE DEVIL

TALK COM AKRAM KHAN COMPANY

 

 

QUA 12 FEV

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

APÓS OS SERRENHOS DO CALDEIRÃO, EXERCÍCIOS EM ANTROPOLOGIA FICCIONAL

TALK COM VERA MANTERO

 

 

SÁB 15 FEV

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

APÓS THE RITE OF SPRING + HENRI MICHAUX: MOUVEMENTS

TALK COM COMPAGNIE MARIE CHOUINARD

 

EMBAIXADORES DA DANÇA

TÂNIA CARVALHO SOFIA DIAS & VITOR RORIZ

 

ENSAIOS ABERTOS PARA ESCOLAS DE DANÇA

 

 

Publicado por Music(A)rtes