Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Músic(A)rtes

Artes.

27
Ago14

Workshop Percussão Afro-Brasileira

 

30 Agosto (Sábado), 15h00-18h00 | Inscrições Limitadas

Workshop: PERCUSSÃO AFRO-BRASILEIRA

com ANDRÉ PINTO

 

O Samba Reggae tem a sua origem em Salvador, no estado da Bahia, durante a década de 70, e carrega uma forte conotação étnica Afro-Brasileira. Extremamente ligado aos rituais e música do candomblé, o samba-reggae tem também como influências variadíssimos estilos musicais como o Samba de Roda, o Reggae Jamaicano, o Samba Bahiano e também o Funk Americano, onde se destaca James Brown como a sua maior influência.

Este workshop visa quebrar barreiras transatlânticas aplicando aos instrumentos do Samba – de natureza bastante eclética – ritmos oriundos dos vários cantos do mundo.

 

Programa

- Introdução aos instrumentos que compõem os blocos de Samba-Reggae

- Exercícios de coordenação motora e pergunta-resposta

- Introdução aos ritmos Samba-Reggae, Reggae e Soka

- Convenções de passagem entre os ritmos

 

O workshop é destinado a percussionistas, bailarinos e curiosos que pretendam alargar os seus conhecimentos rítmicos na área da percussão afro brasileira. Os alunos não necessitam de ter conhecimentos técnicos prévios sobre os instrumentos.

André Pinto (também conhecido como Piteiras), é multi-percussionista e professor de música. Nasceu em Lisboa em 1984 e desde cedo que a música foi uma grande paixão e fez parte da sua vida. Aos 6 anos de idade começou a aprendizagem na Sociedade Musical Odivelense. Com 16 anos, após uma carreira bem sucedida como nadador, retomou a aprendizagem musical, começando a explorar o Didgeridoo – instrumento aborígene australiano cuja sonoridade exótica despertou a vontade de descobrir novas influências dentro da world music.

O Kilombo – lugar mágico de ensino e partilha – permitiu a exploração dessa vontade inquietante e foi o ponto de partida para uma aventura pela percussão árabe, africana e brasileira. Da sua experiência como percussionista resultaram 8 álbuns editados com bandas de diversos estilos musicais – entre os quais jazz, funk, reggae, folk e música tradicional portuguesa – e com artistas e grupos musicais como Né Ladeiras, Nação Vira Lata, Tanira, Magmell, Rita Gordo, Groove Inc., Chapa Dux e Phill D. Desenvolveu ainda trabalhos para campanhas publicitárias e bandas sonoras para documentários.

A música levou-o em viagem ao Carnaval da Bahia – onde tocou com o Bloco Cortejo Afro – e ao maior festival de música do mundo – South by Southwest (Austin, Texas), como percussionista dos Chapa Dux, vencedores do concurso Talento RRW 2011. Actualmente, e em paralelo com esta actividade, dedica-se a transmitir a paixão pela música a crianças dos 5 aos 10 anos, como professor no âmbito das actividades de enriquecimento extracurricular, desenvolvendo vários workshops de percussões do mundo.

De gosto ecléctico, sempre procurou a diversidade tímbrica de diferentes mundos musicais, reencontrando na percussão o fascínio da linguagem universal e no ensino um meio de partilha de ritmos e culturas bastante cativantes.

 

 

Publicado por Music(A)rtes